Aquisição vs Aprendizagem de uma língua: afinal, existe alguma diferença?

A ideia de que aquisição e aprendizagem de uma língua são processos distintos surgiu nos anos 70 e foi introduzida pelo linguista americano Stephen Krashen, que a nomeou Acquisition-Learning Hypothesis. De acordo com esta teoria, o processo de aquisição de um idioma é o que acontece durante os primeiros anos da infância, quando a criança começa a usar a linguagem oral para se comunicar com as pessoas ao seu redor e para interagir com o ambiente. Nesta fase, a língua é usada como ferramenta para atender desejos e necessidades. É através da ânsia e do instinto de socialização que a língua materna é usada e, no caso de crianças expostas a dois idiomas desde o seu nascimento, é possível que ambos sejam usados para este fim. A aquisição da língua ocorre de forma orgânica e inconsciente, e não há instrução formal da língua – há uma assimilação natural da mesma. Esse processo ocorre de forma espontânea e não requer esforço por parte da criança. Além disso, o foco da comunicação está na mensagem sendo transmitida e não na forma gramatical e precisão linguística. Assim, o resultado da aquisição é o desenvolvimento de habilidades linguísticas.

Por outro lado, o processo de aprendizagem de uma língua acontece quando um segundo idioma é introduzido depois que o primeiro já foi parcialmente ou totalmente adquirido. Adolescentes e adultos, por exemplo, aprendem uma segunda língua, e não a adquirem, já que nessa fase é necessário que haja instrução formal e explícita da língua. Isso geralmente significa que mais foco é dado à forma e gramática e menos ao conteúdo das mensagens em si. A aprendizagem de um idioma é um processo consciente e usa a primeira língua como base para a construção do conhecimento a respeito da segunda. Assim, o aprendiz conta com o que já sabe em sua língua materna enquanto aprende a outra língua, muitas vezes utilizando a tradução como recurso. O resultado, nesse caso, é o desenvolvimento de conhecimento sobre a segunda língua e não o desenvolvimento de habilidades cognitivas na mesma.

Guadalupe Valdés, pesquisadora e autora dedicada às questões relacionadas à aquisição e aprendizagem de idiomas, afirma em seu livro Learning and Not Learning English que o aprendizado de uma segunda língua compreende a construção ativa do conhecimento por parte do aprendiz. Em suas palavras, “the acquisition of a second language proficiency is not identical to the acquisition of a first language. Learning a second language involves active construction on the part of the learner (p. 19).”

Os processos de aquisição e aprendizagem de idiomas, portanto, ocorrem de formas distintas, e são processadas de formas diferentes pelo aprendiz. Considere essas características e especificidades quando for lecionar um idioma ou quando considerar a introdução de um segundo ou terceiro idioma para seu filho.

Gostou desse artigo? Compartilhe-o com seus contatos através das nossas redes sociais! Se você deseja dar sua opinião ou tirar alguma dúvida escreva-nos um email.

By |2016-05-21T20:24:26+00:00maio 21st, 2016|Fundamentos|0 Comentários

About the Author:

Deixar Um Comentário

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.